quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

O ‘TANTO’ QUE O GOVERNO PETISTA FEZ



Houve quem discordasse de mim em diferentes graus quando descrevi o mecanismo das manifestações que eclodiram por todo o país a partir de junho do ano passado. Fui chamado de teórico da conspiração, saudosista da Guerra Fria, membro da extrema direita, no Brasil não existe sequer uma direita formalizada como poderia então eu estar na extrema direita? Os petistas histéricos questionavam alegando que não fazia sentido o PT atirar no próprio pé. Não atentaram para o fato de que em qualquer associação humana sempre haverá inúmeras correntes destoando entre si no varejo, porém unidas no atacado. O movimento esquerdista revolucionário não seria diferente. Ao contrário, são exatamente as contradições e embates internos que os fortalecem. E, decerto, seria muita maldade minha exigir que os militantes esquerdistas compreendam a engrenagem que move o movimento da esquerda revolucionária. Dizer para eles que a esquerda sempre trabalha com os mais variados discursos soa como estupidez. A contradição e a ambiguidade são elementos fundamentais do movimento esquerdista revolucionário. Esta estratégia sempre os favorece seja qual for o rumo dos acontecimentos. Manifestações como aquelas não se realizam espontaneamente. Existe um comando que planeja, articula, coordena e executa todas as ações e isso exige recursos materiais e humanos. As redes sociais são um eficiente instrumento assédio, convencimento e recrutamento. Através delas a esquerda faz circular apenas o discurso nominal (aumento nas tarifas dos transportes coletivos, saúde, educação, segurança, etc. e podem ser substituídos por qualquer outro a qualquer momento caso se faça necessário) e ocultam o objetivo final (avaliar sua militância, criar o clima para justificar o fortalecimento do aparelho repressor do Estado, produzir legislação para impor mais controle social, testar a competência da atual presidenta para gerenciar a situação e avaliar sua capacidade e se aquele momento reúne as condições necessárias para patrocinarem uma ruptura institucional, etc.). A ausência de bandeiras de partidos políticos naquelas manifestações para os incautos reforça a ideia de que eram espontâneas. Numa ou outra manifestação tentou-se desfraldar a bandeira de alguns partidos políticos de esquerda e foram prontamente rechaçados pelos “manifestantes” que, na verdade eram militantes da esquerda e estavam instruídos para assim proceder. A presença de qualquer sinal de partidos políticos de esquerda implicaria em esvaziamento do movimento com a fuga de cidadãos honestos e bem intencionados que ingenuamente se integraram às manifestações seduzido pelo discurso nominal. A sociedade questionaria a legitimidade do movimento. Porque os partidos de esquerda que estão no governo atiram no próprio pé?  Seria a primeira e a mais óbvia das perguntas. Os objetivos finais e subterrâneos poderiam ser comprometidos, mas isto não tem lá muita importância tendo em vista que os estrategistas da esquerda revolucionária estão sempre atentos aos rumos que o movimento possa tomar e imediatamente reduzir, ampliar, manter ou adotar outras estratégias. É impossível controlar todo o processo e exatamente por possuírem esta certeza que seu discurso é camaleônico, contraditório e ambíguo proporcionando-lhe um trânsito abrangente capaz de contemplar os interesses mais díspares. Tudo que ocorreu naquela ocasião foi orquestrado. Até mesmo os atos de vandalismo e saque fizeram parte da estratégia. É fato que muitos se aproveitaram da situação para praticarem tais atos. Estes vândalos e saqueadores avulsos colaboraram para o endurecimento das ações policiais de repressão não só em relação a eles, mas a toda sociedade e serviram de justificativa para a adoção de uma legislação mais restritiva.



Num texto que escrevi em 14.08.2013 (A CAMINHO DO ESTADO ONIPOTENTE ONIPRESENTE) ofereço uma prova irrefutável da participação do PT e dos partidos políticos de esquerda naquelas manifestações. Digo, textualmente: “cinco funcionários públicos federais detidos durante a manifestação que ocorreu em Brasília no dia 14 de junho deste ano quando uma avenida foi interditada com a queima de pneus (o motorista em depoimento afirmou haver recebido R$ 250,00 para transportá-los). São eles: Mayra Cotta Cardozo de Souza, assessora especial da Secretaria Executiva da presidência da República; Daniel Gobbi Fraga da Silva, especialista na Assessoria Internacional do Gabinete da Secretaria-geral da presidência da República; João Vitor Rodrigues Loureiro, assessor da Subchefia para Assuntos Jurídicos da presidência da República; Gustavo Moreira Capela, assessor do Gabinete da Subprocuradoria-geral da República e Gabriel Santos Elias que até maio deste ano desempenhou a função de assessor técnico da Subchefia de Assuntos Parlamentares da Secretaria de Relações Institucionais da presidência da República. Dia 27 de junho em Fortaleza os vereadores Ronivaldo Maia (PT) e João Alfredo (PSOL) estiveram presentes no 16º Distrito Policial ao término da partida entre Espanha e Itália pela Copa das Confederações e pagaram R$ 2 mil para que os presos em flagrante durante o protesto em Fortaleza fossem liberados pela Polícia. Dia 28 de junho a Polícia Militar deteve um grupo de manifestantes e com eles três coquetéis Molotov sendo um dos detidos filho do vereador Marcos do Psol. São inúmeros os integrantes do governo e parlamentares envolvidos com as manifestações em todas as esferas e por todo o país. De acordo com o serviço secreto da Polícia Militar de São Paulo o PSOL recrutava punks para atuarem nos protestos.” Estes fatos demonstram cabalmente que não sou um teórico da conspiração. Procuro descrever, dentro de minhas limitações, o processo histórico em curso amparado em fatos consumados e fontes confiáveis procurando fugir das armadilhas que se interpõe durante seu estudo e análise. Por certo que vez por outra sou enganado ou não removo todas as camadas que se sobrepõe aos fatos e acontecimentos cometendo equívocos ao interpretá-los, porém isto não se constitui em nenhum crime e sim um lapso, uma negligência ou distração que o historiador não pode e nem deve cometer. Afinal, o historiador é parte integrante do objeto de seu estudo e, por isso mesmo, está impregnado de valores e ideias cristalizadas que circulam em seu tempo e espaço histórico.



Para demonstrar uma vez mais que minha discrição não é surreal o Secretário Geral da Presidência da República Gilberto Carvalho, O Espião Que Veio da Nada, me fornece um reforço substancial por se tratar de membro deste governo de patifes. Falando em nome do governo petista no Fórum Social Temático Crise Capitalista, Democracia, Justiça Social e Ambiental, em Porto Alegre, durante a conferência "Contra o Capital, Democracia Real" em 24 de janeiro próximo passado disse que o governo considerou uma ingratidão as manifestações de junho. De acordo com ele o sentimento era de que “fizemos tanto por essa gente e agora eles se levantam contra nós”. Quando se referiu a “essa gente” não se tratava dos militantes da esquerda e sim a sociedade que ingenuamente aderiu, solidarizou-se e apoiou as reivindicações nominais expostas. Deveria ter explicitado o tanto que o governo petista fez. Entre tantos “feitos” podemos citar o Mensalão; os dossiês fajutos; o assassinato do prefeito Celso Daniel (os irmãos de Celso Daniel acusaram Gilberto Carvalho de participar do esquema de arrecadação de propina no ABC Paulista. Segundo eles Gilberto Carvalho confessara que transportara em seu automóvel Chevrolet Corsa R$ 1,2 milhão para o presidente do PT José Dirceu); o inchaço na máquina pública com a “cumpanheirada”; a descapitalização da Petrobrás, com direito a doação do pré-sal; a proteção ao larápio Daniel Dantas; a violação de sigilo bancário do caseiro Francenildo; o enriquecimento ilícito de ministros e funcionários públicos; o aparelhamento e esvaziamento das instituições; as privatizações (eufemisticamente denominadas de “concessões”) lesivas aos interesses brasileiros; o aumento da violência urbana e rural; o péssimo desempenho de nossos estudantes com uma educação que será contemplada este ano com pouco mais de 3% do Orçamento Geral da União; o Programa Mais Médicos para abastecer o cofre dos irmãos Castro, os genocidas caribenhos, afrontando a classe médica brasileira e desrespeitando a legislação trabalhista; o perdão da dívida de países africanos governados por ditadores sanguinários e perdulários para beneficiar empreiteiras “amigas” do poder; o fiasco da transposição do Rio São Francisco, a venda de pareceres técnicos pela quadrilha de Rosemary Noronha, amiga “íntima” do ex-presidente Lula; a roubalheira desenfreada com a Copa do Mundo; a inacabável Transnodestina, o castelo de cartas de Eike Batista encorajado e endossado pelo ex-presidente Lula e financiado pelo BNDES, a tomada da refinaria da Petrobrás pelo governo do cacaleiro Evo Morales da Bolívia; a subscrição da Declaração dos Direitos das Nações Indígenas na ONU que possibilitará o desmembramento do território nacional (somente de terras já demarcadas os índios brasileiros já detém o equivalente a quatro estados de São Paulo); o moderno porto de Mariel em Cuba financiado pelo BNDES em mais de US$ 900 milhões e construído pela Odebrecht, sempre “amiga” do governo; o ridículo desempenho da economia; o sucateamento das Forças Armadas; etc. etc. Foram estas coisas que fizeram por “essa gente”, ou seja, nós simples mortais diuturnamente espoliados.   Foi além em seu cinismo afirmando que o governo e os movimentos sociais ficaram perplexos com os protestos. A perplexidade do governo aconteceu porque constatou que não possuía uma militância forte o suficiente para respaldar uma ruptura institucional. Os movimentos sociais no Brasil há muito foram estimulados, financiados, e encampados pela esquerda. Suas lideranças algumas vezes (e não é raro) conhecem a parte subterrânea das estratégias e outras vezes apenas são informadas da parte nominal ou das duas simultaneamente cientes de que sempre prevalecerá aquela sobre esta.  Por fim, para que não restassem dúvidas sobre o pulha sem vergonha que é declarou: "O problema, para infelicidade da direita, é que esse gosto do mais e do mais não cabe na cartilha do sistema; a explosão dessa demanda de direitos não cabe no sistema capitalista e nos marcos daquilo que é hoje o mundo globalizado em seus sistemas de produção, distribuição e consumo". De que direita este animal está falando? Caso esteja tentando referir-se ao PSDB ou ao DEM sabe perfeitamente que estes partidos jamais foram de direita. Pode até haver neles alguns direitistas, da mesma forma que pode haver vida fora da Terra, mas em ambos os casos são apenas especulações. Estes partidos são a direita da esquerda. A oposição que a esquerda ama, venera e aquece. A sociedade brasileira, sua besta quadrada, não reivindica o mais e mais e mais, simplesmente está pleiteando o cumprimento das obrigações do Estado brasileiro que são inexistentes ou precárias ou ambas as coisas. A cartilha do sistema não mudou nem uma vírgula, continua beneficiando a concentração de renda e, consequentemente, aprofundando as desigualdades sociais. Ao dizer que os direitos não cabem também nos marcos do sistema capitalista poderia este douto jumento classificar qual o sistema econômico atual praticado no Brasil? Não consta que o PT tenha se desvencilhado do sistema capitalista. De mais a mais o socialismo só sobrevive dentro de um sistema capitalista, posto ser ineficiente, incompetente e incapaz de produzir riqueza. Mandar este Espião do Lula catar coquinhos seria muita condescendência de minha parte. “Essa gente”, seu picareta arrogante, é o escambau.


CELSO BOTELHO

10.02.2014

“EU PAGO AS MINHAS CONTAS”





Não há mérito algum ao resgatar-se uma dívida, é obrigação do devedor para com o credor. Em se tratando de um cidadão (ou cidadã) honesto, mesmo espoliado pelo Estado, nada mais natural. Ninguém é forçado a contrair dívidas. Entretanto, ao contraí-las deve arcar com seu pagamento. Porém, a afirmação que está no título deste texto foi dita “pela presidento” Dilma Rousseff e, portanto, não é o que se pode chamar de uma cidadã honesta. Reforça apenas sua colossal arrogância e prepotência. D. Dilma ficou, deveras, irritada com as críticas ao seu “tour” de quinze horas na boa e velha terra de Luiz de Camões com a desculpa molambenta de que havia necessidade de uma “parada técnica” porque o avião não possuía autonomia de voo entre Zurique e Havana. Vejam a desonestidade. O avião tem autonomia de voo segundo o fabricante da aeronave (Airbus). Caso houvesse precisão de reabastecê-lo isso levaria aproximadamente uma hora. Sem explicações possíveis e plausíveis D. Dilma disse que pagou as despesas com seu cartão de crédito pessoal (só a diária no Ritz foi de oito mil euros, R$ 26,2 mil) assim como eu fui jogar golfe com o Bill Gates domingo passado. Mas a desonestidade de D. Dilma neste episódio é o menor dos males.  Sua desonestidade moral e intelectual vão muito além dessa “parada técnica”. Há que se admitir que honestidade, moralidade e lealdade são atributos que a esquerda revolucionária não possui e despreza aqueles que os praticam. Todo discurso esquerdista é camaleônico, contraditório e ambíguo. Esta estratégia lhes permite transitar com desenvoltura de um extremo ao outro ora transigindo, ora barganhando e ora apropriando-se de bandeiras que, historicamente, sempre se mostraram avessos. Assim, quando questionados, haverá sempre uma rota para evitar a colisão. Para sobreviver e alcançar seus objetivos ignora, distorce e resignifica conceitos caros ao pensamento marxista há muito cristalizados.  As duas administrações federais petistas são catastróficas. Lula é uma fraude desde que surgiu no cenário sindicalista de São Bernardo do Campo. Dilma Rousseff nem isso. Um poste. E um poste sem luz. Uma fraude deve ser convincente. D. Dilma como fraude só convence a dois tipos de pessoas: os retardados e os idiotas. Dizer que o atual governo é ineficiente, omisso, perdulário, imoral, corrupto e criminoso é o mesmo que dizer que a Terra gira em torno do sol.


Já que “o presidenta” nos assevera que paga as suas contas vou aproveitar e cobrar algumas que ainda não foram pagas ou sequer  amortizadas contraídas durante sua campanha eleitoral de 2010. Com o intuito de não tornar esta matéria demasiadamente longa apresentarei algumas dívidas na saúde e na educação contraídas por livre e espontânea vontade por D. Dilma Rousseff que se encontra em aberto. Deve-se registrar que jamais acreditei que fossem pagas. Político brasileiro promete tudo. Desde revogar a Lei da Gravidade até vender a alma de sua própria mãe a Satanás a um preço módico e em suaves prestações. Eis alguns pontos na saúde.  Melhorar todo o sistema de saúde, certamente que estava a se referir ao sistema de saúde privado para uns poucos afortunados, posto que o público se deteriorasse ainda mais. Fazer 500 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) 24 horas, que alterou para 900 unidades até o final deste ano. Porém, somente doze foram entregues e passem a mão no toco. Construir 8.600 unidades básicas de saúde em todo o país e até o ano passado foram entregues 434. Das seis mil creches prometidas apenas sessenta foram construídas para aparecer na propaganda oficial. Das 6.116 quadras esportivas cobertas em escolas prometidas, D. Dilma entregou somente 137. Também se propôs a universalizar o SUS (será que tinha a intenção de estendê-lo a outros planetas?), garantindo mais recursos para o programa e ampliar o número de profissionais. Na saúde como em todos os setores do governo quanto mais dinheiro, mais ladrões. Para suprir a demanda decidiu importar médicos de Cuba através do Programa Mais Médicos (que já havia sido tramado antes mesmo de ser eleita) para aumentar a renda dos genocidas dos irmãos Castros desrespeitando a legislação trabalhista brasileira e afrontando os médicos brasileiros. Da maneira como se encontram os postos de saúde na periferia das grandes cidades e no interior bastaria contratar um curandeiro para aviar receitas caseiras. Fascinada pela informática D. Dilma disse que implantaria o cartão do SUS, com o registro do histórico dos atendimentos, acontece que, em fim de mandato, na maior parte do país os arquivos dos pacientes do SUS ainda são de cartolina e frequentemente são extraviados, destruídos pela umidade, traças e ratos. Cogitou também ampliar o programa Saúde da Família, só se foi da sua família, áulicos, cúmplices e comparsas e ampliar as Farmácias Populares onde qualquer cidadão pode encontrar a boa e velha água e isto se chover. Fingindo acreditar que os brasileiros tenham motivos de sorrir diante de duas administrações federais do PT prometeu ampliar o Brasil Sorridente. Mas os desdentados não devem ficar animados porque o Bolsa Dentadura ainda não saiu. A ex-guerrilheira de meia pataca furada afiançou que iria ampliar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), porém o cidadão que recorre a este serviço continua ouvindo a mesma desculpa: não há ambulância disponível. Quanto a valorizar práticas preventivas creio que a população é que já deveria estar prevenida dos malefícios que os petistas significam. “O presidenta” disse que garantiria o atendimento básico, ambulatorial, hospitalar altamente resolutivo em todos os estados e melhorar a gestão dos recursos. Não fez nem uma coisa nem outra. São centenas e mais centenas de postos de saúde e hospitais que não dispõe sequer de uma obsoleta máquina de Raio X ou de eletrocardiograma. Quanto a melhorar a gestão de recursos foi tão eficiente que inaugurou um hospital em São Bernardo do Campo pela metade. Na ocasião declarou que “não fora eleita para construir muquifos”. Mas construir muquifos certamente não rende uma propina substancial. Esta obra, como as demais estão eivadas de irregularidades. Dar atenção a programas de saúde mental, especialmente para tratamento de alcoolismo e dependência de drogas. Sua atenção foi tão especial que no estado do Rio de Janeiro um hospital para pessoas portadoras de deficiência mental e drogas encontra-se em vias de ser fechado. Existem cidades onde a APAE está sendo desativada. Acabar com as filas para exames e atendimentos especializados. Isto é relativamente simples. Desmantela-se o sistema de saúde e não havendo unidades para o atendimento as filas desaparecem. Os pacientes automedicam em qualquer farmácia ou apelam para a Providência Divina.


Na Educação as dívidas assumidas “pelo mandataria” maior desta nação tupiniqueira não poupou demagogia. “Nossa presidento” alardeou pelos quatro cantos do Brasil que iria aumentar para 7% do PIB os investimentos públicos em educação até 2014, porém quando a Câmara dos Deputados aprovou por unanimidade o percentual de 10% do PIB para a educação para os próximos dez anos D. Dilma disse que era uma “aventura fiscal”. Que contradição dos diabos! Assegurou a candidata Dilma que se eleita iria erradicar o analfabetismo no Brasil. Segundo o 11° Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos divulgado pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) divulgado no último dia 29 o Brasil é o oitavo país do mundo com maior taxa de analfabetismo entre adultos. Parece que o compromisso assumido em 2000 no Acordo de Dacar (Senegal) de, entre outras coisas, reduzir em 50% o número de analfabetos não será cumprido. D. Dilma chamou para si a responsabilidade de dar prioridade à qualidade da educação. Para tal tarefa buscou o auxílio luxuoso do analfabeto funcional e poste  Fernando Haddad que permitiu a publicação de livros didáticos com erros, distribuiu o kit gay, quiseram abolir as obras de Monteiro Lobato por serem preconceituosas, etc. A qualidade de ensino evoluiu tanto na gestão deste lambão que um estudante foi aprovado em redação do ENEM por ter dado a receita de como se faz Miojo. Prometeu criar também a Bolsa Anti-Evasão Escolar, o aluno irá receber dinheiro para ficar mais ignorante. Disse a “pseudo-doutoranda” que daria especial atenção à formação continuada de professores para os níveis fundamental e médio. Dar atenção especial na linguagem dos políticos é o mesmo olhar e não enxergar. Possibilitar que os professores tenham, ao menos, curso universitário e remuneração condizente com sua importância e manter um piso salarial nacional para professores. Curso universitário no Brasil é tão bom que não há uma única universidade entre as duzentas melhores do mundo. Equipar as escolas com banda larga gratuita é dívida assumida pela “competente” presidento, a maioria dos estabelecimentos públicos de educação sequer possuem os itens básicos para o seu funcionamento. Há escolas sem professores, carteiras, quadro negro, giz, água tratada e esgoto. Construir mais escolas federais. D. Dilma sabe muito bem que construir imensos monumentos à vaidade do administrador não soluciona nem minimiza o caos na Educação, mas sempre rende votos. Todas as políticas educacionais adotadas no Brasil desde os jesuítas primam por não educar coisa alguma. Proteger as crianças e os jovens da violência, do assédio das drogas e da imposição do trabalho em detrimento da formação escolar e acadêmica. A realidade em 2014 é bem diferente. As crianças pobres têm mais do que o dobro de chance de morrer, em comparação às ricas, e as negras, 50% a mais, em relação às brancas. Aproximadamente uma em cada quatro crianças de 4 a 6 anos estão fora da escola. 64% das crianças pobres não vão à escola durante a primeira infância. O governo faz maciça propaganda que 98% das crianças de 7 a 14 anos estão na escola, porém omite que 535 mil crianças nessa idade estão fora da escola, das quais 330 mil são negras. Nas regiões mais pobres, como o Norte e o Nordeste, somente 40% das crianças terminam a educação fundamental. Nas regiões mais desenvolvidas, como o Sul e o Sudeste, essa proporção é de 70%. O Brasil tem 21 milhões de adolescentes com idade entre 12 e 17 anos. De cada 100 estudantes que entram no ensino fundamental, apenas 59 terminam a 8ª série e apenas 40, o ensino médio. A cada hora, cinco casos de violência (física, psicológica, incluindo a sexual) contra meninas e meninos são registrados no país. Esse quadro pode ser ainda mais grave se levarmos em consideração que muitos desses crimes nunca chegam a ser denunciados. Cerca de 30 mil adolescentes recebem medidas de privação de liberdade a cada ano. Com relação ao trabalho infantil dados do IBGE em 2012 apontavam 3,7 milhões de crianças envolvidas no trabalho infantil, o que representa 8,6% das crianças de 5 a 17 anos. Eis a proteção que D. Dilma comprometeu-se em oferecer. E a lista de promessas vai além. As dívidas assumidas pela candidata-capacho foram inúmeras para se eleger e jamais sequer cogitou em resgatá-las. O que se pode apurar é que nem tudo está como antes no quartel de Abrantes, está bem pior. Mas o papel aceita tudo que nele quer se assentar. Para o bem e para o mal.


Somente nestas duas áreas vemos a quantidade de dívidas não pagas por D. Dilma Rousseff que agora se arvora de boa pagadora. Foram mais de 160 promessas inscritas no seu discurso eleitoral. Algumas até viáveis e exequíveis, mas em sua maioria pura demagogia. Irrealizáveis no prazo de vários mandatos, mesmo desconsiderando os obstáculos que cada uma de suas promessas teria que enfrentar se postas em execução. Obstáculos erguidos pelos mais diversos interesses políticos, econômicos e sociais. Alardear que paga suas contas é mais uma de suas mentiras. A estratégia da esquerda revolucionária é exatamente o oposto do que foi prometida pela candidata Dilma Rousseff. Quanto maior for o caos na sociedade mais fortalecidos estarão. Comunista não tem pátria, apenas se serve do país onde se instala e suga ao máximo seus recursos e seu povo. Diante do exposto D. Dilma não passa de uma caloteira e deve ser negativada pelo SPC em outubro deste ano pelos eleitores, assim como todos os demais candidatos.


CELSO BOTELHO
01.02.2014


A ESCALA TÉCNICA FAJUTA DE DILMA EM PORTUGAL E A BONDADE DO GOVERNO PETISTA COM OS GENOCÍDAS DOS CASTROS

- Depois do Porto Mariel, do Mais Médicos, vou criar o Mais Comunistas


Dizer que “o presidenta” Dilma Rousseff é omissa e mentirosa é o mesmo que afirmar que a fórmula da água é H2O.  Na Suíça mentiu descaradamente sobre os indicadores econômicos e sociais do Brasil. Em seu retorno o avião que conduzia a “chefa” da nação e sua camarilha, digo, comitiva aterrissou em Lisboa para uma “parada técnica”. Esta “parada técnica” não estava na agenda oficial, mas assim que foi divulgada o Palácio do Planalto a incluiu no roteiro às pressas. A Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República ainda divulgou nota esclarecendo que o Airbus 319 que servia à “presidento” e integrantes da quadrilha governamental não tem autonomia de voo entre Zurique e Havana. Neste caso o fabricante da aeronave mentiu ao informar que esta possui uma autonomia de voo entre Brasília e Paris (8.807,49 km) porque a distancia entre Zurique e Havana está abaixo (8.199,42 km). Não havia um compromisso oficial na agenda presidencial e, sendo assim, o massacrado contribuinte brasileiro arcou com o passeio turístico de Sua Excrescência, digo, Excelência e seus asquerosos áulicos. O ministro das Relações Exteriores Luiz Aberto Figueiredo correu para endossar a patacoada da Secretaria de Comunicação Social e acrescentar que todos os quadrilheiros, incluindo sua “chefa”, pagaram suas despesas com cartões pessoais. Por quem nos toma, ó cajo? Retardados ou idiotas? Uma vez na capital lusa sua comitiva, digo, camarilha pernoitou ocupando dezenas de apartamentos nos luxuosos hotéis Ritz e Tivoli. Antes, porém, estiveram no caríssimo restaurante Eleven para fazer uma boquinha. O ministro Luiz Alberto Figueiredo asseverou que a despesa fora paga individualmente por cada um dos membros da camarilha, digo, comitiva como cartões pessoais. Ai o ministro está “nos tirando” como babacas. Disse, textualmente: "cada um pagou o seu e a presidenta, o dela, como ocorre em todas as viagens. Foi com cartão pessoal". E nós, pobres mortais, vamos acreditar numa mentira dessa? D. Dilma Rousseff ficou alojada na suíte presidencial do Ritz ao custo de oito mil euros a diária (cerca de R$ 26,2 mil, quase que todo o seu salário bruto como presidente da República, isto oficialmente, é claro) com todos os requintes e mordomias das quais nenhum comunista que se preze dispensa. Na manhã seguinte após regalarem-se com a culinária portuguesa acompanhada de um bom vinho e uma boa noite de descanso saíram dos hotéis utilizando suas portas dos fundos para evitar a imprensa. Será que estes esquerdistas são tão estúpidos a ponto de achar que um presidente da República possa passar despercebido? De qualquer maneira comportaram-se exatamente como manda o manual dos criminosos: abandonar a cena do crime rápida e sorrateiramente.


Dizem os mais velhos que mentira tem pernas curtas. Às vezes não. Existem mentiras que persistiram e ainda persistem através dos séculos. As mentiras do PT, do Lula, da Dilma e camarilha não resistem muito tempo. Mas isso não significa que não sejam eficazes. Ao contrário, surtem o efeito desejado quando de sua elaboração por que se apresentam maleáveis, elásticas, adaptáveis, mutantes. O discurso da esquerda está aberto como um leque e alcança tudo aquilo que possa favorecê-la, mesmo que o confronto se estabeleça dentro de suas próprias hostes. Aliás, o discurso contraditório e ambíguo é altamente benéfico ao projeto de poder esquerdista.  No Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, mentiu desbragadamente que fiquei preocupado de seu nariz crescer tanto que seria impossível contê-lo no recinto onde se encontrava saindo porta a fora a ameaçar a integridade dos suíços. D. Dilma certamente e convenientemente ignora que as contas externas brasileiras exibiram um rombo recorde de US$ 81,4 bilhões em 2013. O déficit passou de 2,41% do PIB em 2012 para 3,66% em 2013. De acordo com o Banco Central, O Carimbador Maluco, o déficit de todas as trocas de serviços e do comércio do Brasil com o restante do mundo aumentou 50% no ano passado e superou em muito a projeção do próprio Banco Central de encerrar o ano com um déficit de US$ 79 bilhões.  Segundo o IBGE a inflação de 2013 fechou em 5,91%. Este percentual confirma mais uma vez a notória vocação que este instituto possui para realizar truques baratos de ilusionismo. O governo trabalhou com várias projeções para o PIB de 2013 ancorando em qualquer coisa entre 2,4% e 2,5%. Milagres acontecem. Porém, não na economia. No caso do governo brasileiro é pura feitiçaria econômica. E uma feitiçaria muito ordinária porque em 2012 só conseguiram elevar o crescimento do PIB de 0,09% para 1,00%. Não contaram também para “o presidenta” que o mercado de ações do Brasil registrou a pior perda anual entre os 20 maiores índices de ações do mundo. Estes “detalhes” não pertencem ao conjunto de interesses de D. Dilma, do seu padrinho, do PT, do PMDB & Tralhas Associadas. O foco está em manter o poder a qualquer preço e prosseguir com o projeto esquerdista do regime de partido único.


Qualquer comunista que vá a Cuba é sacudido por violentos orgasmos. Para eles ficar frente a frente com os genocidas dos Castros é o Santo Graal. Nos anos 1960 toda uma geração de latinos americanos foi contaminada pela revolução cubana e o regime passou a ser o modelo para uma horda de jovens imbecis como a própria presidente. Mas hoje, mais de meio século depois, idolatrar Fidel Castro é uma insanidade ou uma imbecilidade ainda maior. Dilma, guerrilheira de meia pataca furada, pseudo-doutoranda, poste de Lula, e etc. foi até aquela ilha para inaugurar a primeira fase do terminal portuário (Porto Mariel), construído em sua maior parte pela brasileira Odebrecht por meio de um financiamento de US$ 957 milhões do BNDES. Para a segunda etapa da obra D. Dilma anunciou que o BNDES entrará com US$ 290 milhões. Mas a bondade do governo comunista do PT pretende estender-se e quer instalar indústrias brasileiras na Zona Franca de Cuba enquanto no Brasil nosso parque industrial é sucateado, desmantelado e desprezado. Será que em nosso país não há necessidade de se criar riqueza e empregos? Direcionar recursos públicos para dotar um regime comunista, genocida e cruel de infraestrutura é uma afronta à sociedade brasileira. Este dinheiro deveria estar investido na saúde, na educação, na habitação, nos transportes, na segurança pública, no saneamento básico, etc. no Brasil. Nosso governo está investindo mais no porto cubano do que em nossos próprios portos que, por sinal, já rifou. O Programa Mais Médicos foi criado para abastecer a ditadura castrista com o dinheiro do cidadão brasileiro. Este programa desprestigia e desrespeita os médicos brasileiros, a legislação trabalhista e o cidadão que necessita de atendimento médico pelo SUS. O povo de Cuba há mais de cinquenta anos é vítima desse regime imposto pelo sanguinário Fidel Castro. Mas isto é um problema interno e Cuba é um estado soberano. Comunista não tem pátria e nem mãe. Então dele se pode esperar qualquer coisa. O governo petista trabalha contra o Brasil e os brasileiros. A sociedade precisa mobilizar-se e ocupar todos os espaços para dar um basta nestes facínoras. Acreditar que o voto é instrumento para transformar o país é o mesmo que crer na possibilidade de inventar-se uma roda quadrada ou um quadrado redondo com seis lados.


CELSO BOTELHO

26.01.2014

DILMA CALA SOBRE A CARNIFICINA NO MARANHÃO E MENTE DESCARADAMENTE NA SUIÇA





Mais uma vez “o presidenta” Dilma Rousseff escondeu-se no silêncio. Repete, portanto, o mesmo artifício de seu criador, o ex-presidente Luiz Inácio Lula Satanás da Silva. Faz de conta que não é com ela. Lula sempre se esconde quando suas safadezas vêm a público. No escândalo do Mensalão primeiro quis se fazer de vítima dizendo que fora apunhalado pelas costas, a seguir declarou que seu partido apenas incorrera no crime de caixa dois que, asseverou, todos faziam. Em sua estreiteza intelectual e moral Lula considera que se o crime é praticado com assiduidade deixa de sê-lo. Finalmente, seguindo orientação do então ministro da Justiça Márcio Tomaz Bastos (advogado de defesa dos mensaleiros), jurou de pés juntos que de nada sabia.  No caso de sua “amiga íntima” Rosemary Noronha para a qual criou o Gabinete da Presidência da República em São Paulo e a partir dele sua companheira de viagens ao exterior “comercializava” pareceres técnicos de órgãos federais para quem se dispusesse pagar. Recentemente o delegado Romeu Tuma Jr. publicou seu livro “Reputações Assassinadas” afirmando que o ex-presidente Lula era um informante do Dops (Departamento Ordem Política e Social) conhecido por “barba”. Que fez o ex-sindicalista pelego? Silenciou. Saiu de fininho assoviando como quem não tem nada com isso. Atitude exemplar de um perfeito canalha. O que está acontecendo no estado do Maranhão não começou ontem. O estado é feudo da “famiglia” Sarney há cinquenta anos. Mas o senador Sarney e o PMBD são caros ao Partido dos Trabalhadores e não convém contrariá-los, mesmo que tenham que descumprir as leis e a própria Constituição Federal, porque valores éticos e morais inexistem entre os esquerdistas. O PT cuida bem de seus aliados (leia-se cúmplices, comparsas, apaniguados e simpatizantes). O governador do estado do Rio de Janeiro Sergio Cabral Filho (PMDB-RJ) e Agnelo Queiroz (PT-DF), governador do Distrito Federal foram blindados na CPI do Cachoeira (Carlos Augusto Ramos) ao mesmo tempo que os petistas apontavam para o governador do estado de Goiás Marconi Perillo (PSDB-GO) que, além de não ser nenhum santo (chegou a estipular salário para a primeira-dama que coincidentemente era sua esposa), serviria perfeitamente para desempenhar o papel de bode expiatório. O PSDB existe exatamente para isto. Levar pancada do PT, fazer beicinho e parecer oposição. Afinal, os tucanos são à direita da esquerda. Ao cabo e ao fim todos foram preservados.


Sobre a carnificina e desordem no Maranhão D. Dilma descaradamente silencia. Certamente está muito ocupada (e preocupada) com a sua reeleição. O tempo urge e está encolhendo a cada dia, portanto, fica nos bastidores fazendo acordos espúrios, cambalachos, maracutaias e outras patifarias. Está preocupada com sua reeleição. Não pode se dar ao luxo de perder o apoio do Goela Profunda (ou PMDB). Como já disse, salvo chuvas e trovoadas no decorrer do período, é muito provável que consiga mais quatro anos. Não que possua méritos que, se existem ninguém conhece. O que a favorece enormemente é a mediocridade e incompetência dos pré-candidatos que já se apresentaram. Mas isso não quer dizer que “o presidenta” seja menos medíocre e incompetente.


O ministro da Justiça (sic) José Eduardo Cardozo serviu de moleque de recado “do presidenta”. É bom que se diga que ao assumir este posto (de moleque de recados) está usurpando a função do ministro da Educação Aloisio Mercadante (para este ministério qualquer imbecil serve). José Eduardo Cardozo sentou-se ao lado da governadora do Maranhão Roseana Sarney que, por sinal, também ignorava o que se passava nos presídios do estado que diz governar e a única proposta que irá se concretizar será o aumento do efetivo da Força Nacional de Segurança Pública e, paralelamente, a aprovação de mais leis restritivas. Percebam como nada é por acaso. Não existem coincidências. A carnificina nos presídios é a justificativa para aumentar o poder de repressão do Estado e impor mais controle social. Haverá quem diga que a situação calamitosa, insalubre, promíscua e desumana nos presídios são anteriores ao governo petista. Sim. É fato. Porém, este governo está no poder desde 2003 e nada fez para minimizar a situação na qual se encontram. Ao contrário, ao omitir-se estimulou a violência. Violência que agora favorecerá sua estratégia de implantação do regime de partido único. A Força Nacional de Segurança Pública foi idealizada pelo então ministro da Justiça Márcio Tomaz Bastos em 2004. Em 2013 “a presidento” Dilma Rousseff baixou o Decreto Presidencial nº 7.957 que prevê a intervenção nos estados por interesse de qualquer ministro de Estado permitindo a interferência armada nos estados mesmo que o governador não a solicite. Esta Força está à disposição do poder Executivo que passou a contar com sua própria força policial que pode ser enviada e atuar em qualquer região do país ao sabor de sua vontade. O presidente da República brasileira tem à sua disposição um exército particular, tipo a guarda pretoriana do Império Romano.


Na Suíça “a presidente” mentiu descaradamente ao afirmar que desde que o país foi “escolhido” para sediar a Copa do Mundo de 2014 uma série de melhorias foram realizadas enfatizando a infraestrutura urbana, a malha viária e ferroviária. Qualquer idiota pode constatar que as rodovias estão péssimas condições, cheias de buracos, sem sinalização, inseguras, etc. as ferrovias são uma merda, no aeroporto do Rio de Janeiro o ar condicionado não funciona, os portos brasileiros são uma piada (de mau gosto). O sujeito que redigiu o discurso de Dilma Rousseff esmerou-se em construir sentenças que não dizem absolutamente nada. Vejam que pérola: “[é] imprescindível resgatar o horizonte de longo e médio prazos para dar suporte aos diagnósticos e as ações necessárias para o crescimento das diferentes economias". Com seiscentos diabos, é mais fácil compreender a física quântica! Também asseverou aos suíços que a inflação está “sob controle”, certamente estava se referindo a inflação suíça. Dilma, baseada nas informações de Marcelo Neri de que quem ganha dois salários mínimos faz parte da classe média, disse que esta é formada hoje de 55% da população. E seu discurso discorre sobre um país imaginário, um país do marketing a peso de ouro para promover um governo corrupto, incompetente, perdulário, omisso e conivente com o ilícito. Da maneira como pintou o cenário brasileiro faz lembrar o ex-presidente Médici que dizia que o Brasil era uma ilha de tranquilidade num mundo tão conturbado, enquanto o pau comia solto nos subterrâneos da ditadura.


CELSO BOTELHO

25.01.2014

domingo, 29 de dezembro de 2013

DILMA NOEL DÁ PRESENTE DE GREGO AOS BRASILEIROS


A maneira mais prática e rápida de qualquer governante para tapar os rombos encobrindo sua incompetência, conivência, cumplicidade com o ilícito, descaso e omissão é aumentar impostos. A História está repleta de episódios de rupturas cujo estopim foi exatamente a carga tributária exagerada imposta à sociedade. Na Roma antiga os impostos e tributos proporcionavam a riqueza e opulência dos imperadores. Na Idade Média havia pesados impostos e era proporcional a prosperidade da comunidade. A “corveia” era o trabalho compulsório nas terras do senhor (manso senhorial) em alguns dias da semana. A “talha” era parte da produção do servo a ser entregue ao nobre. Porém, o mais inusitado seja a “formariage”, uma taxa que todo servo era obrigado a pagar quando os nobres e os parentes destes decidissem se casar. Os casamentos entre os servos deveriam se aprovados pelo suserano. No sul da França o senhor feudal poderia ou não determinar que a noite de núpcias de uma serva seria sua ou do marido. Um dos grandes exemplos de aberrações tributárias foi na Rússia em 1708 sob o reinado de Pedro, O Grande. Havia o imposto para tomar banho, sobre a barba, sobre o bigode, sobre o chapéu e uso de botas, para funerais, para a elaboração de testamento. O mais bizarro de todos os impostos criados por este monarca foi o Imposto da Alma. Pedro não era religioso e não cria na existência de uma alma. Porém, seus súditos criam e deveriam pagar imposto sobre elas. Mas os ateus também eram tributados. Ainda hoje por todo o mundo existem impostos absurdos, bizarros e completamente sem sentido. Em 2004 em Maryland, EUA, para proteger as águas próximas foi instituído o Imposto da Descarga. Todos os donos de sistemas sépticos passaram a pagar uma taxa adicional para o tratamento de esgoto. Na Romênia criou-se o Imposto da Bruxaria. As bruxas deveriam pagar 16% de sua macabra renda. Em 2005, no Arkansas, EUA, os cidadãos que desejarem fazer uma tatuagem ou usar um piercing pagarão 6% a mais de imposto. No Brasil também os legisladores sempre foram muito atentos e zelosos na arte de enfiar a mão no bolso do cidadão (contribuição compulsória dos combustíveis, selo pedágio, kit primeiros socorros, etc.). Não é novidade alguma que o pobre paga muito mais impostos do que os ricos nestas terras. Além dos tributos serem elevados eles estão embutidos nos preços de todos os produtos e serviços. Donde se conclui que, proporcionalmente aos seus salários, o rico paga menos imposto que o pobre. Além disso, existem muitas distorções. Por exemplo, uma bicicleta no Brasil paga mais imposto que os automóveis. Os fabricantes de bicicletas têm uma carga tributária de 40,5% enquanto as montadoras de automóveis recolhem em torno de 32%. Em se tratando de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) a discrepância entre bicicletas e automóveis é escandalosa. Um automóvel tipo popular recolhe em média 3,5% enquanto uma bicicleta tem que recolher aos cofres públicos 10%, exceto se for fabricada na Zona Franca de Manaus onde os fabricantes contam com isenção fiscal. Existe um interesse pessoal e político-eleitoral para que o governo seja tão bondoso com as montadoras? Quem disse sim acertou na mosca.



Os suecos mais abastados chegam a recolher 58,2% de seus rendimentos para os cofres reais. Este é o argumento de muitos petistas (alfabetizados, analfabetos e analfabetos funcionais). Porém, na Suécia os impostos não são desviados, desperdiçados, mal aplicados e não têm o diabólico hábito de viajar para paraísos fiscais, pelo menos não com a frequência a que estamos acostumados no Brasil. Ainda há quem argumente que a alíquota de 27,5% é pequena (no Chile é de 45%). No entanto, “esquecem” que existem três bases para a tributação, a saber: renda, patrimônio e consumo. O que o cidadão deixa de recolher sobre a sua renda o faz sobre o seu patrimônio e, sobretudo, seu consumo. O apetite tributário do Estado brasileiro é um caso de polícia. Neste fim de ano “a presidento” Dilma Rousseff resolveu brindar-nos com um verdadeiro presente de grego. Tudo porque sua incompetência (e de sua equipe econômica) vem apresentando os mais pífios resultados econômicos. Para colocar mais alguns milhões no caixa do governo, não para aplicar em saúde, educação, infraestrutura, segurança pública, Forças Armadas, etc. e sim para a corrupção e o superávit primário sejam reforçados fazendo a alegria de seus correligionários, associados, comparsas e banqueiros. O IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) subiu de 0,38% para 6,38% para saques e uso de cartões no exterior justamente nesta época do ano quando milhares de brasileiros viajam. O aumento contempla também os cartões pré-pagos de débito internacional com moeda estrangeira. Esta modalidade foi adotada pelos brasileiros como forma de fugir do IOF para os cartões de crédito no exterior que foram majoradas em 2011 de 2,38% para 6,38%. Então o governo resolveu deixar tudo igual para que o cidadão não pudesse migrar de uma forma de pagamento para a outra. O IOF incidirá sobre o valor depositado. Um dos muitos jumentos da área econômica que disse "estamos dando isonomia (na tributação) para produtos que têm a mesma finalidade". Interessante, a isonomia é sempre para cima. A sacanagem deve fazer fluir para os cofres do governo mais de R$ 550 milhões. O mesmo quadrupede saiu-se com mais esta "a participação de cartão de crédito ficou menor do que nas demais operações. Ficamos preocupados com essa inversão mais forte". É lógico que o consumidor brasileiro optou pela forma de pagamento cujo IOF era menor, sua mula. A “preocupação” do governo sempre é a de estar deixando de arrecadar o máximo que seja possível (e até impossível) do contribuinte.



Ao invés de ficar aumentando imposto a torto e a direito o governo petista poderia reforçar seu caixa deixando de fazer caridade com o dinheiro alheio perdoando dívidas de países africanos, principalmente aqueles governados por ditadores e ditaduras cruéis e genocidas. Oficialmente os dois governos petistas “renegociaram” mais de R$ 1 bilhão das dívidas destes países sob a alegação de estreitar as relações econômicas com o continente. Desse total, US$ 717 milhões foram perdoados, ou seja, 69,2%. Nos oito anos de Lula (2003-2010) foram perdoados US$ 436,7 milhões em dívidas de quatro países: Moçambique, US$ 315,1 milhões; Nigéria, US$ 84,7 milhões; Cabo Verde, US$ 1,2 milhão e Suriname, US$ 35,7 milhões. Em Moçambique, foram perdoados 95% da dívida, a maior proporção da década. Nos três anos de governo, Dilma “reestruturou” a dívida de cinco países, US$ 431,2 milhões. Sendo que US$ 280,3 milhões foram perdoados. Também foram beneficiados Gabão (perdoado em US$ 36 milhões), Senegal, Sudão, República do Congo, Costa do Marfim, Mauritânia, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe, neste último a dívida foi “reescalonada” e os prazos de pagamento alterados. O Congo-Brazzaville deve cerca de US$ 350 milhões, a Tanzânia US$ 237 milhões e a Zâmbia US$ 113 milhões. Da Nigéria nosso país deve receber US$ 67,3 milhões de uma dívida de US$ 150,4 milhões contraída há mais de vinte anos, o restante será cancelado. Disse a pseudo-doutoranda em economia "então o sentido é uma mão dupla: beneficia o país africano e beneficia o Brasil." Essa mão dupla traduz-se em beneficiar os caloteiros e os empresários brasileiros que os exploram em seus países e contribuem generosamente para o Partido dos Trabalhadores & Quadrilheiros Associados. Empresas brasileiras atuam em diversos países africanos no ramo petrolífero, de mineração e grandes obras de infraestrutura com aportes do BNDES e a legislação brasileira proíbe que instituições financeiras governamentais concedam empréstimos para empresas que irão atuar em países que estão em débito. O índio cocaleiro Evo Morales, dublê de presidente, foi contemplado pelo Mula, digo, Lula e o trapalhão Celso Amorim com um perdão de US$ 52 milhões e ainda abriram uma linha de crédito especial para que o vigarista construísse uma rodovia em seu país. A Nicarágua também foi premiada com um perdão de 95% de sua dívida estimada em US$ 141 milhões. O camarada Fidel Castro de Cuba não ficou de fora do pacote de bondade do ex-presidente Lula que “amortizou” sua dívida que, segundo consta, está na casa dos quarenta milhões de euros. O pagamento da dívida será suavizado com a redução de 20% dos valores de alguns produtos comprados pelo Brasil (que produtos serão esses?), mas não é só. Serão investidos na ilha R$ 20 milhões através do BNDES para que construam uma usina de álcool combustível. Mas o que poderia se esperar da esquerda? Enquanto perdoam dívidas de ditadores que possuem quatro Rolls Royce e três Ferrari na garagem, são acusados e processados por corrupção, desvio de dinheiro público, lavagem de dinheiro, etc., violam os direitos humanos, incitam a discriminação e preconceito e outras barbaridades aumentam a alíquota do IOF em cerca 1.500% para dar “isonomia tributária” ao massacrado contribuinte brasileiro. O dia que eu tiver um pingo de respeito por esta gente enfio a cabeça no vaso sanitário e puxo a descarga.



CELSO BOTELHO

29.12.2013

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

NÃO XINGUEM A MÃE DO MANTEGA E MERCADANTE APOSTA ALTO



Quanto mais vejo o ministro da Fazenda Guido Mantega falar bobagens e fazer besteira mais admiro e respeito os jegues, jumentos e as toupeiras. Além de trapalhão agora é vidente. Disse que o ciclo da crise está chegando ao fim. Examinando o panorama internacional e o ridículo desempenho da economia nacional não é preciso muito esforço para concluir que o ministro está mentindo descaradamente. Exceto se considerarmos um crescimento do PIB de 0,09% como espetacular (revisto e alterado para 1%). No entanto, quando afirma que o governo vai perseguir um superávit primário maior que o previsto na proposta orçamentária de 2014 está dizendo a verdade. Porque esta joça é a economia que o governo faz para pagar os juros da dívida pública que hoje consome cerca de R$ 200 bilhões anuais. E como se faz esta economia? Contingenciando verbas da saúde, da educação, da segurança pública, das obras de infraestrutura, dos transportes, etc. De acordo com a bola de cristal de Mantega, especialmente treinada para lhe mostrar coisas que nós simples mortais não vemos, as condições fiscais serão melhores em 2014 em função do crescimento da economia. Gostaria de saber como isso será possível com uma economia crescendo como rabo de cavalo. O ministro promete “recompor certos tributos”. Hummmm! Lá vem fumo! Também diz que serão reduzidos os estímulos e incentivos. Ora, desculpem minha ignorância, mas isto não tende a provocar uma retração? Outra verdade do ministro está “no que se refere” (royalties para Dilma Rousseff) a redução de despesas (desde que não venham a bulir com os companheiros, associados, cúmplices e comparsas) a começar com o abono salarial e o seguro desemprego. Para não saírem por ai a dizer que sou intransigente, turrão e implicante tenho que concordar com o ministro Guido Mantega quando reclama que alguns ministros estão xingando a senhora sua mãe (a dele) e depois a do secretário do Tesouro Nacional Arno Augustin (nada a ver com os eletrodomésticos). É bom que se diga que este cidadão está no cargo há seis anos e, portanto, não é de hoje que vem dando uma de mágico realizando truques contábeis ou, como dizem os economistas, promovendo uma “contabilidade criativa”. Muito deselegante o comportamento de seus colegas de quadrilha, digo, ministérios. Que mal fizeram as senhoras além de tê-los gerado e parido? Deveriam apenas xingá-los. Porque envolvê-las nas trapalhadas e jumentices de seus rebentos? Ora, que falta de educação! Entendo perfeitamente que a ofensa à mãe é o xingamento favorito de dez entre dez brasileiros, porém, publicamente, entendo que devemos poupá-las. Caso as mulheres soubessem antecipadamente o traste que estavam gestando certamente correriam para expeli-lo. E assim o mundo estaria livre de um Fidel Castro, Lenin, Stalin, Mussolini, Hitler, Pinochet, Lula, etc. etc. etc.




Mantega garantiu que o governo não fará novas manobras para fechar suas contas. Então antes fazia? Ora, ministro, se o governo não fizer isso só mesmo um milagre poderá fechar as contas públicas. Mas como não podemos contar com a intervenção divina neste caso os truques e artimanhas contábeis continuarão maquiando a bagunça. O próprio ministro disse, textualmente; “fizemos essas operações que podem não ser consideradas muito ortodoxas, mas que foram feitas dentro das regras. Não há nenhuma irregularidade, apenas fica uma operação menos transparente, vamos dizer assim. Este ano, adotamos a prática de fazer tudo absolutamente transparente, colocar todos os gastos explícitos.” Vamos desmembrar a fala. O ministro parece desconhecer o próprio idioma. Ortodoxa significa que segue à risca o que diz uma regra. Se não podem ser consideradas muito ortodoxas é porque fugiram às regras e se fugiram às regras como poderiam estar dentro delas? Depois afirma não ter ocorrido nenhuma irregularidade, somente houve menos transparência. Se houve menos transparência foi porque havia necessidade de ocultar alguma coisa e quando se oculta alguma coisa é porque existem irregularidades, principalmente se tratando dos governantes brasileiros. Declara o indigitado ministro que neste ano a área econômica do governo fez tudo absolutamente transparente colocando todos os gastos explícitos. Então confirma que nos anos anteriores não houve transparência. Se não houve transparência é porque houve irregularidades. A fala do ministro é o samba do crioulo, do branco, do índio, do mameluco doido. Mantega está à frente do ministério desde 2006, tal como Dilma, não pode atribuir responsabilidade pelo desarranjo na economia ao seu antecessor. Estaria atirando contra o pé. Que situação! Sobre a crise de confiança do mercado diante da política fiscal afirmou que alguns setores ficaram de mau humor com o Brasil. Ora vejam, nosso desempenho econômico está atrelado ao humor. Se é assim acho que o Tiririca deveria ir para o ministério da Fazenda.



Mas se alguém pensa que a coisa está feia enganou-se. Circula que num eventual segundo mandato de D. Dilma Aloisio Mercadante venha a substituir Gleisi Hoffmann na Casa Civil. Pelo menos ele aposta nisso. O risco é alto, mas não é absurdo. Para derrotar Marina Silva, Aécio Neves ou Eduardo Campos uma Dilma Rousseff pode dar conta, salvo chuvas e trovoadas. Mercadante contava de ser nomeado ministro da Fazenda no primeiro governo Lula, foi preterido. Virou líder do governo no Senado Federal. Em 2006 saiu candidato ao governo de São Paulo e Lula não se empenhou em sua campanha (como fizera com Dilma em 2010 e Fernando Haddad em 2012) perdeu para José Serra, O Papinha de Alface Light. Em janeiro de 2009 foi eleito líder do PT no Senado e em agosto apresentou sua “renúncia irrevogável” devido a decisão do PT de arquivar a abertura de investigação no Conselho de Ética contra o presidente do Senado José Sarney. Lula o chamou às falas e a “renúncia irrevogável” foi revogada. Em 2010 concorreu novamente ao governo de São Paulo e Lula estava ocupado demais com um poste chamado Dilma Rousseff e não o ajudou. Para consolá-lo Dilma o nomeou ministro da Ciência e Tecnologia. Em 2012 foi para o ministério da Educação por conta da eleição de outro poste que Lula plantou na prefeitura de São Paulo.



Vejamos o histórico dos ocupantes da Casa Civil nos dois últimos governos. Na Era Lula ficou assim: José Dirceu foi para a prisão como chefe da quadrilha do Mensalão. Dilma Rousseff para a presidência da República. Erenice Guerra que, apesar dos crimes cometidos (escândalo dos cartões corporativos, fabricação de dossiês fajutos, tráfico de influência, favorecimento a empresas que mantinham ligações com membros de sua família, etc.) saiu ilesa. Apenas com um puxão de orelha do Conselho de Ética da presidência da República que decidiu puni-la, por unanimidade, com uma censura ética pela omissão de informações. Em 2012 o processo foi arquivado por “total falta de provas”. Carlos Eduardo Esteves Lima ficou de setembro a dezembro de 2010. Certamente não houve tempo hábil para fazer lambanças. No governo Dilma Antônio Palocci, demitido no governo Lula do ministério da Fazenda por conta da quebra ilegal do sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa, foi demitido por enriquecimento ilícito. Aumentou seu patrimônio vinte vezes em apenas quatro anos. Finalmente Gleisi Hoffmann que nomeou como assessor um pedófilo, depois nomeou um suspeito de corrupção e a seguir Idaílson José Vilas Boas Macedo, funcionário da ministra das Relações Institucionais Ideli Salvati, acusado pela Polícia Federal de envolvimento com a quadrilha suspeita de pagar propina a prefeitos para direcionar investimentos de fundos de pensão municipais. Uma fraude de R$ 300 milhões. Sua nomeação foi avaliada e assinada por Gleisi Hoffmann que deixará o governo para candidatar-se ao governo do Paraná. São pessoas deste calibre que integram o governo da República e mais um não fará lá muita diferença. Mercadante está tão acostumado a ser subserviente ao PT e especialmente a Lula que não percebe que mais uma vez será atirado na toca dos leões. Será desmoralizado mais uma vez publicamente. Lula sempre odiou a ideia de surgir uma liderança que lhe ameaçasse a hegemonia no partido e sempre trabalhou para neutralizá-las. Quando Mercadante foi eleito senador com mais de dez milhões de votos a luz amarela acendeu para Lula que tratou logo de lhe cortar as asas. Fidel Castro agiu assim em relação a Chê Guevara, Stalin com relação a Leon Trotsky. Mas Mercadante merece ser desprezado, repudiado e bagunçado.



CELSO BOTELHO

24.12.2013





domingo, 22 de dezembro de 2013

GUERRILHEIRA DE MEIA PATACA FURADA, PRESIDENTE INCOMPETENTE, MOTOQUEIRA DESVARAIDA E MOTORISTA IMPRUDENTE




Ao contrário do que afirmam seus áulicos a passagem de Dilma Rousseff pela guerrilha jamais teve a importância que propagam. Era mais uma jovem de classe média portadora de uma pobreza intelectual, entupida da ideologia comunista, dos chavões do movimento da esquerda revolucionária e, portanto, facilmente convencida e recrutada por qualquer das organizações subversivas daquela época. Até hoje não sabemos por que os militares reduziram sua pena. Por certo que não estavam praticando sua boa ação do dia. Caso fosse um elemento de destaque da organização que pertencia e com a dimensão que lhe atribuem certamente teria um destino semelhante a Carlos Lamarca, Carlos Marighela, Mauricio Grabois, etc. Muitos sobreviveram como, por exemplo, João Amazonas. Sim. Afinal, muitos ratos fugiram, outros se esconderam e inúmeros viraram amigos do gato de cama e mesa. O mensaleiro condenado José Genoíno (codinome Geraldo) foi acusado publicamente pelo coronel Lício Maciel, que o prendeu na Guerrilha do Araguaia, pelo coronel Curió (Sebastião Rodrigues de Moura) e pelo Tenente Vargas de haver delatado seus companheiros para salvar sua pele. Não foi necessário nem torturá-lo. Aliás, os guerrilheiros quando eram presos imediatamente se borravam nas calças e cantavam tudo que os militares queriam ouvir, sem desafinar. Este é um genuíno canalha, com perdão do trocadilho. D. Dilma Rousseff desempenhou no movimento guerrilheiro o ingrato papel de boi de piranha como centenas de outros. O delegado Romeu Tuma Jr., Secretário Nacional de Justiça no governo Lula, em seu livro “Assassinatos de Reputações, Um Crime de Estado” afirma que o ex-presidente Lula foi um informante do Dops com o codinome de “Barba” durante o regime militar. Tuma Jr. Afirma “Eu era investigador subordinado ao meu pai (delegado e ex-senador Romeu Tuma) e vivi tudo isso. Eu e o Lula vivemos juntos esse momento. Ninguém me contou. Eu vi o Lula dormir no sofá da sala do meu pai. Presenciei tudo.” Lula foi uma criação do general Golbery do Couto e Silva para neutralizar Leonel Brizola, deu certo.



Com a popularidade que o ex-presidente desfrutava em 2010 até o Tiririca seria eleito presidente da República. Com todo respeito ao deputado Francisco Everardo e a todos os palhaços do Brasil que nos proporcionam momentos de alegria e descontração. Dilma Rousseff por conta própria não seria eleita nem a subsíndica de cortiço. Sua incompetência está mais do que demonstrada. A corrupção, desvio, desperdício e malversação dos recursos públicos prosseguem florescendo com pujança. A economia do país vai de ruim a péssima sob a batuta de um dos piores ministros da Fazenda que o país já teve. E notem que já tivemos até fabricante de brinquedo neste ministério. Os negócios escusos prosperam. Os acordos espúrios são celebrados à vista de todos. As instituições são depredadas moral e materialmente. Os empreiteiros e os banqueiros nos dois governos petistas ganharam dinheiro “como nunca antes na história deste país”, como dizia o arataca ignorante do Lula. Aliás, a própria Dilma já disse que o ex-presidente Lula jamais saiu do governo. Uma declaração pública de incompetência e subserviência.



Com a imagem desgastada pelas manifestações de junho e não tendo o que fazer na presidência da República Dilma Rousseff resolveu dar um “rolé” por Brasília. Caso tenha sido uma invenção do seu o marqueteiro, na prática quadragésimo ministro do governo, ou não pouco importa. Na ocasião “o presidenta” disse que queria “sentir melhor os ares da cidade. A vida é cheia de riscos. Tudo que se faz na vida importa riscos”. É verdade. Os eleitores decidiram correr o risco e a elegeram, quebraram a cara. Fato público e notório que d. Dilma não está habilitada para pilotar motocicletas o que implica na desobediência ao Código Nacional de Trânsito pondo a sua vida em risco e a de outros, principalmente a dos outros. Apressaram-se em divulgar que estava na garupa. Como já escrevi aqui, nada contra “a chefa” da nação dar um passeio de motocicleta, de carro, de bicicleta, de ônibus, de helicóptero, de avião, de charrete, de carruagem, de carroça, de cavalo ou de jegue, afinal o traseiro é dela e pode assentar-se onde bem lhe aprouver. E mais: como ninguém presenciou o evento e mesmo que toda a Capital presenciasse Dilma teria que remover o capacete e dizer algumas de suas usuais bobagens para que se acreditasse ser ela em pessoa e não uma sósia contratada pelo ministro-marqueteiro João Santana (que anda meio fraco de imaginação) para “melhorar” sua imagem tão deteriorada e repulsiva. Não demorará o ministro-marqueteiro sugerir “a presidento” que copie o “estilo Collor” e passe a fazer caminhadas matinais acompanhada por jornalistas, seguranças e baba-ovos, pilote jet-ski e os obsoletos aviões de caça da Aeronáutica, lute judô (verdade que “o presidenta” está mais para a prática de sumô) e – quem sabe? – faça visitas periódicas a comunidades carentes abrilhantando, ou melhor, obscurecendo os bailes funks com sua presença.



Desta feita foi flagrada por um fotografo dirigindo com seu neto no colo no banco traseiro do veículo numa avenida em Porto Alegre. Comportamento punido pelo Código de Trânsito Brasileiro. Transportar crianças de até sete anos e meio sem os dispositivos de segurança específicos previstos em lei - bebê conforto, cadeirinhas e assentos de elevação - é infração de trânsito gravíssima e o motorista infrator estará sujeito a multas e retenção do veículo. Resolução 277/2008 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), válida para todo território nacional (e para todos, sem exceção). A infração é gravíssima, prevista no artigo 168 do Código de Trânsito Brasileiro, com multa atualmente em R$ 191,54, perda de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação e retenção do veículo até que a irregularidade seja sanada. D. Dilma deu uma desculpa esfarrapada: "estive hoje na casa da minha filha e, de lá, levei meu neto à casa do avô, que fica no mesmo bairro". Ficasse a casa de Carlos Araújo, seu ex-marido e também ex-guerrilheiro de meio tostão furado, até na mesma rua que não poderia desobedecer a lei, principalmente ocupando o cargo de presidente da República. Mas burlar a lei é o esporte preferido de onze em cada dez políticos brasileiros. Lula também se mostrou formidável em dar mau exemplo ao afirmar com orgulho que preferia assistir um capitulo da novela das oito que ler uma única pagina de um livro. “A presidento” não só foi imprudente como também arrogante e prepotente se colocando acima das leis. Caso fosse um rei (ou rainho) absolutista sua atitude não seria correta, mas ninguém ousaria reprová-la, sob pena de apodrecer na masmorra ou encontrar-se com o carrasco. Os comunistas, no governo, atuam de maneira idêntica. Como brasileiro não aceito suas desculpas; repudio seu comportamento; lamento o mal que ela, seu governo, seu criador, seu partido, seus aliados, cúmplices, asseclas e simpatizantes tem causado ao país.



CELSO BOTELHO

22.12.2013